Em conversa com o Here and There Carlos Brito, presidente do Observatório do Vinho do Porto, defende que o vinho do Porto tem hoje dois grandes desafios: inovar sem perder a tradição; e passar de vender vinho para vender uma experiência de vinho. E alerta para as consequências para a já não obrigatoriedade de ter, no gargalo das garrafas, o selo à cavaleiro. Um selo de garantia, emitido pelo IVDP (Instituto dos vinhos do Porto e Douro) e que mais do que uma garantia da autenticidade do vinho serve como factor de distinção do mesmo no meio de tantas outras garrafas de vinho. E isso é especialmente importante quando se fala de mercados externos, onde a maioria dos consumidores não tem experiência e conhecimento suficiente do vinho para poder distinguir um verdadeiro vinho do Porto de outras variedades. Para ver e ouvir em mais um #Blablabla.

 

Partilhar

Alexandra Costa

Jornalista desde 1996 sou portuguesa de nacionalidade, alfacinha de nascimento, alentejana de coração e uma viajante do mundo. Adoro viajar, conhecer novas culturas, experimentar gastronomias. Sou viciada em livros e nunca digo que não a uma boa conversa. Basicamente sou apreciadora dos prazeres da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.