Esporão tem três novos vinhos durienses

Minas, Margem e VV47 são os três novos tintos durienses, da Esporão, que vêm juntar-se ao Murças Reserva e aos vinhos do Porto da Quinta dos Murças. A localização, a diversidade e a história tornam a Quinta dos Murças num local único que dá origem a vinhos de terroir, com carácter distinto e inovador.

O VV47 é a expressão máxima do terroir da Quinta dos Murças e resulta de um field blend de várias castas autóctones desta vinha singular e cheia de história. Este é um vinho raro, de produção muito limitada (3000 litros) e produzido apenas em anos excepcionais no Douro.

Já as vinhas que dão origem ao Margem localizam-se junto ao rio Douro a 140 metros de altitude. A baixa altitude conjugada com a exposição solar (Sul e Poente) e o terroir de características ímpares conferem às uvas uma maior concentração e maturação. O Margem é um vinho de terroir, com um perfil inovador.

O Minas provém de vinhas com exposição Sul entre 110 e 300m de altitude. O resultado é um vinho concentrado, com fruta madura, em equilíbrio com a frescura característica de Murças, reforçada pela presença de minas de água na sua encosta.

O lançamento destes três novos vinhos é a concretização de um dos objectivos pensados para o projecto. A Quinta foi adquirida, em 2008, pelas suas condições e diversidade que permitem contar a história de um território através de diferentes vinhos, com uma identidade própria. O entusiasmo que existe é partilhado por José Luís Moreira da Silva (enólogo residente) que procura conhecer de forma pormenorizada cada parcela, cada vinha, cada unidade de terroir e toda diversidade da Quinta, afirmando que “só assim acreditamos ser possível perceber, interpretar e exprimir a diferenciação e perfil dos vinhos”.lho

Raquel Carva

Partilhar

Raquel Carvalho

Lutadora e apaixonada pela vida. É assim que me caracterizo. Para mim a família é o meu pilar e ser mãe foi um sonho tornado realidade. Os meus dois príncipes são a minha razão de viver e o meu orgulho. Adoro a minha profissão, pois escrever e fazer perguntas sempre esteve no meu ADN. Escolhi ser jornalista com seis anos de idade e consegui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.